Pesquisadores fazem projeções sobre a pandemia e alertam para importância do distanciamento social em Foz

Desde o início de abril, um grupo de docentes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana, UNILA, e de profissionais de saúde de Foz do Iguaçu trabalha de forma conjunta aplicando modelos matemáticos para tentar fazer projeções da propagação da Covid-19 no município.

Nesta semana, o grupo de trabalho divulgou o primeiro relatório que avalia como seria a evolução do número de infectados por SARS-CoV-2 em diferentes cenários de isolamento social.

Uma das conclusões do estudo é que o chamado isolamento vertical – focado exclusivamente em idosos e pessoas dos grupos de risco – seria ineficaz para conter a pandemia do novo coronavírus em Foz do Iguaçu. O documento também pede cautela na reabertura de locais voltados para atividades de lazer, além de escolas e universidades.  Acesse aqui o relatório na íntegra. 

(Foto: Unila)

O estudo usa como base o modelo matemático epidemiológico SEIR-Net, que vem sendo muito utilizado ao redor do mundo para entender as dinâmicas da Covid-19. O modelo permite estudar alguns cenários de isolamento e distanciamento social, com foco em grupos específicos. Na pesquisa do GT da UNILA, os grupos foram divididos pela fração de cada faixa etária da população de Foz do Iguaçu. O professor Luiz Roberto Ribeiro Faria Junior, autor principal do estudo, alerta que os resultados das projeções são qualitativos. “Como ainda não temos muitos dados de testagem, a definição dos parâmetros para uma análise quantitativa ainda é um pouco complicada. Mas, a análise qualitativa permite fazer comparações entre cenários de forma robusta”, explicou.

Isolamento de 70% da população é o ideal, mas existem outras alternativas

A principal conclusão do estudo é que o isolamento social deve ser a estratégia central para o controle da velocidade e da intensidade do pico de infecção pelo Sars-Cov-2. Pelas projeções realizadas, o cenário ideal de isolamento seria de, pelo menos, 70% em todas as faixas etárias. Porém, o pesquisador salienta que isso não implica, necessariamente, que o isolamento deve ser de 70% em todas as faixas etárias. “Se houver uma redução mais significativa em algumas faixas etárias, pode haver uma certa flexibilização em outras. É possível que se chegue a uma redução global de 70% de diferentes formas”, explica.

Na comparação de alguns cenários, o estudo mostrou que se 20% dos adultos (25 a 59 anos) e 90% dos idosos, jovens e crianças de Foz do Iguaçu respeitassem o isolamento de forma rigorosa, haveria um ganho qualitativo em termos de tempo e tamanho do pico de infecção. Isso porque na cidade, a faixa etária de 25 a 59 anos representa quase 50% da população, segundo dados do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social (Ipardes).

Por conta da população jovem, a reabertura de escolas e universidades em Foz do Iguaçu deve ser uma decisão tomada com bastante cautela. O professor citou como exemplo um estudo francês, que mostrou que oito semanas de escola fechadas e 25% de teletrabalho para adultos, seria suficiente para postergar o pico da epidemia em quase dois meses, com redução aproximada de 40% na incidência de casos.

O mito do isolamento vertical

Outro dado que deve ser levado em consideração no momento de pensar políticas de combate à pandemia, é a população de idosos. Aproximadamente 7% dos moradores de Foz do Iguaçu têm mais de 60 anos e, por isso, o isolamento vertical, focado apenas nessa faixa etária, seria uma estratégia ineficaz. “Nesse tipo de isolamento, apenas uma parcela pequena dos suscetíveis seria retirada de forma mais forte da dinâmica da população. E a maior parte das interações sociais e, consequentemente, eventos de contágio, vai ocorrer entre crianças, jovens e adultos, que representam a grande maioria da população”, complementa o docente.

Além disso, as informações já existentes sobre a Covid-19 no Brasil mostram que a doença está longe de ser um risco apenas para idosos.

O relatório ressalta, ainda, que curvas mais suaves e mais tardias não implicam em controle da doença, e sim no controle da velocidade e intensidade da curva. Para o professor Luiz Roberto Ribeiro Faria Junior, enquanto não houver um esquema vacinal eficiente, o SARS-CoV-2 seguirá sendo um problema grave de saúde pública.

Grupo interdisciplinar

O relatório “Dinâmica da evolução do número de infectados por SARS-CoV-2 em diferentes níveis de isolamento social: um estudo de caso para Foz do Iguaçu com o modelo SEIR-Net” é o primeiro estudo do Grupo de Trabalho de Projeções da UNILA. A equipe reúne profissionais e pesquisadores das áreas de saúde coletiva, medicina, epidemiologia, biologia, geografia, física e das engenharias que estudam as dinâmicas da Covid-19, levando em consideração a localização e as características populacionais de Foz do Iguaçu, o Oeste do Paraná e a Tríplice Fronteira.

Os interessados em entrar em contato com o grupo podem escrever para o e-mail ricardo.hartmann@unila.edu.br.

Com informações da UNILA

Publicado por Cris Loose

Sou jornalista formada pela Universidade Estadual de Londrina, com especialização em Comunicação e Marketing e com experiência em TV, rádio, impresso e assessoria. Aprendiz de jornalismo no mundo digital e apaixonada por informação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: