A pandemia vista pelo lado de dentro

O gráfico abaixo é a tradução mais perfeita do desenrolar da pandemia em Foz do Iguaçu. Mesmo quem não é muito fã das ciências exatas consegue perceber que passamos da incerta calmaria para o início abrupto e violento do que pode ser uma tempestade sem hora para acabar.

O Plantão do Covid-19 recebe em média 100 telefonemas diários, mas hoje chegou a receber 839 mensagens em um único celular. Dos 2 a 4 novos pacientes que acompanhavam, os médicos da TELEMEDICINA tem hoje 70 novos pacientes ao dia. E dos 20 exames diários, o laboratório de Biologia Molecular passou a realizar quase 200.

Cada paciente atendido, e que precisa fazer exames, gera em média 7 impressos: 3 folhas de notificação, 2 pedidos de exame , 1 declaração ou atestado para afastamento e 1 folha de evolução. Ontem (26), 300 notificações de Covid-19 precisaram ser preenchidas para envio ao setor de Epidemiologia do Município.

Mais de 200 pacientes comparecem para as coletas de exame ou para atendimento emergencial na Triagem e no PS respiratório do Hospital Municipal. As enfermarias começam a encher e os leitos de UTI passam a ser sistematicamente ocupados.

A apreensão dos profissionais de saúde e de todos os envolvidos, direta e indiretamente no Enfrentamento à Pandemia, aumenta a cada instante. Sabemos que em breve a quantidade de casos leves e moderados da doença poderá ser substituída pela preocupante onda de casos graves.

Nossa torcida é que, ao chegar esta hora, todas as estruturas que foram preparadas tenham sustentação e consigamos um resultado favorável com poucas vidas perdidas e, se possível, a totalidade de nossos pacientes recuperados. Para tanto é necessário que cada um de nós faça a sua parte neste esforço coletivo. Só assim sairemos ilesos disso tudo.

Respeito ao isolamento, cuidado consigo mesmo e com o outro, paciência ao aguardar atendimento que não seja emergencial, e também os resultados dos exames, são fundamentais, assim como o respeito à ciência e a ajuda a quem precisa. São algumas das atitudes que cada cidadão pode adotar para tornar essa passagem menos conturbada e traumática para toda a comunidade.

Meu muito obrigada à enfermeira Mara Cristina Ripoli Meira e toda a equipe de Epidemiologia do Município de Foz do Iguaçu pelo compartilhamento dos dados; e aos Professores Luiz Roberto Ribeiro Faria Junior e Elaine Soares da Biologia da UNILA, pela elaboração deste gráfico tão emblemático.

  • Os dados para a elaboração do gráfico acima foram retirados dos Boletins Epidemiológicos lançados pelo Município de Foz do Iguaçu. A data inicial do gráfico é 29/04/2020, sendo que os exames de Foz do Iguaçu passaram a ser realizados no laboratório local em 24 de Abril de 2020.

Por: Dra. Flávia Trench – CRM 12550
Professora Assistente do Curso de Medicina da UNILA 

Publicado por Cris Loose

Sou jornalista formada pela Universidade Estadual de Londrina, com especialização em Comunicação e Marketing e com experiência em TV, rádio, impresso e assessoria. Aprendiz de jornalismo no mundo digital e apaixonada por informação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: